Distopia coletiva

“Quem aqui entra, faz-me uma honra; quem não entra – um prazer”. rafaella campos, brazil.